Notícias

Novidades e Informações sobre o setor logístico

Voltar

Segurança no transporte de carga: 5 dicas para reduzir riscos

Como proteger as mercadorias, o veículo e o condutor durante o trajeto de entrega? Como prevenir acidentes de trânsito? Quais são as formas de evitar prejuízos financeiros em caso de imprevistos? Esses são questionamentos sobre a segurança de carga que fazem parte do cotidiano dos profissionais da área logística.

É uma verdade bem difundida no setor de transportes que esse tipo de operação é repleto de riscos para os empreendedores e seus clientes. Por esse motivo, é preciso direcionar esforços para realizar o gerenciamento de riscos implementando, assim, medidas preventivas.

Você tem interesse em conhecer os métodos que podem garantir que a sua carga permaneça segura desde a origem até o destinatário? Então, este artigo tem tudo o que você precisa saber. Confira!

Qual a importância da segurança no transporte rodoviário?

Com a condição precária das estradas e aumento da ação de quadrilhas especializadas em roubo de cargas, recai sobre a transportadora a responsabilidade de lidar com os riscos. Dessa forma, para minimizar as perdas, o setor desenvolve soluções para amenizar os problemas mais graves.

Como garantir a segurança de carga?

As iniciativas podem ser simples, como evitar trafegar durante a noite ou contar com recursos elaborados como o rastreamento de veículos. São diversos métodos de proteção que podem ser aplicados tanto por pequenos negócios como para grandes corporações.

1. Mapeie os riscos do processo

Muitas transportadoras optam por adotar planos para o gerenciamento de riscos inerentes à sua operação. Dessa forma, é possível prever potenciais problemas e evitar maiores transtornos.

A aquisição de seguros de carga, por exemplo, é uma maneira de lidar com a possibilidade de roubo de mercadorias e avarias causadas por acidentes. Ao acionar a seguradora, os bens serão ressarcidos e a transportadora não fica sujeita a perdas financeiras.

Contudo, essa é uma tática corretiva, ou seja, busca solucionar os problemas após a sua ocorrência. Por outro lado, o foco de uma gestão voltada para a análise de riscos deve buscar formas de prevê-los.

2. Realize treinamentos periódicos para os motoristas

Os condutores têm responsabilidade pela carga durante o transporte, portanto é preciso contar com profissionais experientes e bem capacitados. Por outro lado, há sempre a oportunidade de aprimoramento com os treinamentos voltados para tópicos como:

  • direção defensiva;
  • primeiros socorros;
  • legislação de trânsito;
  • prevenção de acidentes;
  • transporte de cargas perigosas.

Esse tipo de projeto tem o objetivo de sensibilizar os motoristas para aspectos importantes do trabalho, em especial para a sua saúde e segurança. É fundamental que os objetivos da empresa sejam compatíveis com as necessidades dos colaboradores para aumentar a motivação e a dedicação.

3. Padronize os processos de segurança

A realização de um diagnóstico representa um elemento essencial na estratégia organizacional. Essa ferramenta ajuda a conhecer a situação atual da segurança dentro dos armazéns, na área de expedição e durante o processo de distribuição.

As cargas podem sofrer avarias de diversas maneiras durante a sua movimentação dentro do estoque e nas etapas de embarque no veículo e, posterior, descarregamento.

Em muitos casos, pode-se elaborar um documento que funciona como um mapeamento dos riscos identificados. Por exemplo, os profissionais que trabalham no armazém e que lidam com maquinário pesado estão sujeitos a riscos distintos se comparados com os motoristas.

Por isso, o fornecimento de equipamentos de proteção individual e a utilização de cinto de segurança são regras rígidas para a circulação nos galpões e na direção. É importante, também, divulgar amplamente para que os colaboradores conheçam quais diretrizes devem ser seguidas para que o ambiente de trabalho seja mais seguro.

4. Adote o monitoramento remoto da frota

Durante o trajeto de entrega, a melhor forma de garantir a segurança do veículo e da carga é por intermédio de sistemas de rastreamento da frota. Essa tecnologia combina a transmissão via satélite e o equipamento de GPS para monitorar a localização de cada caminhão.

Diversas funcionalidades podem ser adicionadas a esse recurso como:

  • alerta de pânico;
  • câmaras de segurança embarcadas;
  • travamento das portas do baú e da cabine;
  • controle de velocidade, aceleração e frenagem;
  • desligamento remoto da ignição, em caso de emergências;
  • monitoramento realizado com o uso de plataformas online.

Assim, o processo de movimentação de mercadorias torna-se mais seguro e as cargas chegam em perfeito estado no seu destino.

5. Programe manutenções preventivas

As condições de conservação e a idade da frota têm relação direta com o índice de acidentes observados nas rodovias do país. Por esse motivo, a realização de manutenções e reparos preventivos são ações importantes para prolongar a vida útil dos caminhões.

É recomendado que antes do início de cada viagem o motorista responsável e a equipe da oficina realizem uma breve vistoria. Essa checagem pode incluir os níveis de óleo e combustível, verificação dos itens de segurança e sistemas de sinalização.

Um veículo que se encontra em constante utilização sofre desgastes causado por:

  • trafegar em vias sem asfalto;
  • circular com excesso de peso;
  • transportar carga mal acondicionada.

Como resultado, os sistemas de freio, amortecimento e suspensão são comprometidos e podem se tornar mais suscetíveis a falhas que podem ocasionar acidentes.

O excesso de peso é um dos motivos de acidentes com caminhões de carga. Para evitar essa situação, deve-se selecionar o veículo de porte adequado, de acordo com as dimensões do produto a ser transportado. A legislação de trânsito proíbe essa prática e a empresa fica sujeita a penalidades e multas caso os limites sejam desrespeitados.

Como ajustar a sua estratégia?

Prevenir a incidência de erros ao manusear a carga e acidentes durante o percurso são os objetivos primordiais das empresas que atuam no setor. Com isso, são desenvolvidos tecnologias e procedimentos capazes de solucionar os problemas mais comuns e, assim, aprimorar toda a operação.

Quando não é possível oferecer uma solução definitiva, é importante contar com alternativas que minimizam tanto os danos como os prejuízos financeiros.

Manter a segurança de carga em todas as etapas da operação logística requer a integração entre recursos humanos, sistemas de gestão e processos unificados pela gestão de riscos.

Gostou deste artigo e quer ter acesso a outros conteúdos? Então, siga o CLIF nas redes sociais — FacebookTwitter e LinkedIn — e não perca nossas atualizações!

Quer receber mais informações sobre o Clif?